21 de out de 2011

? ao meu respeito

Eu vivo me descobrindo e me redescobrindo de novo. 
Quem sou eu afinal?
O que eu quero?
Quais serão meus objetivos mais estranhos dentro do mundo que não me pertence?
Então, resurge a pergunta: Você foi justa consigo mesma? Eu acho que não.
Tudo isso me deixou marcas profundas que me fazem aprender um pouco mais sobre as minhas vontades. Porém, nem sempre o certo é o que dá mais vontade de fazer. Às vezes, o errado é mais tentador, está dentro de você e, nesse vai e vem, você nem percebeu.
Tenho medo de mim. Por quê? Por eu acreditar realmente no meu senso crítico de lealdade e de entrega. Será que faço parte de algum delivery? Acho que não. Só entro com muita vontade em qualquer atividade que tenho vontade de dar continuidade. Mas, e quando isso não pode acontecer?
Então, sinto o gosto amargo do beijo do destino que teima em me prender dentro dos meus conceitos invisíveis, mas que, se quebrados, podem me cegar ou me machucar mais do que qualquer coisa na minha vida.
Quero me entender, mas isso parece tão distante!
Quero estar mais perto de mim, mas isso parece quase impossível. 
Quando acreditamos que as possibilidades não podem ser tentadas ficamos presos aos nossos pés e deixamos de lado a nossa vaidade de tentar para apostar no certo.
Eu nunca fui de me render a regras, mas dessa vez eu sei que formo a excessão enquanto minha cabeça dominar minhas vontades.

2 comentários:

ROBERTO FIALHO disse...

PARABENS O SEU BLOG ESTA ESPETACULAR
GOSTEI MUITO DE TUDO

Bel Freitas disse...

Obr pelo carinho Roberto...
Bjs... ;)