27 de fev de 2014

Em mim



Busco a cura para o meu mal
O mal que penetra em mim
Que me arranha
Me consome
Me incendeia.

Estendo as mãos em um pedido de socorro
Mas ninguém aparece.

Deixo-me dominar, enfim,
Por este mal chamado você.

O meu mal-bem-querer.

 

E tudo passa...


Os sentimentos se misturam a todo instante, não mais consigo distinguir o certo do errado. Prevalece apenas o desejo de estar contigo, de somar alegrias, de dividir momentos, compartilhar sonhos e fantasias. As oportunidades são raras, o que me faz agir de forma cega e unidirecional sem, ao menos, me dar uma nova chance de escrever uma história diferente ou até, digamos, "normal" para os padrões críticos sociais e também para minhas crenças e conceitos.
A liberdade de escolha eu tenho, mas os sentimentos (olha eles aí mais uma vez) caminham contra a escolha que deve ser feita. O DEVER é o certo. O QUERER não se deve. É tudo tão confuso quando a razão não está no comando, quando afloram sentimentos adormecidos e quando meus achismos preenchem a teimosia dos meus dias distantes e solitários.
Permaneço estática no tempo desenfreado quando queria correr. Permaneço calada em mim quando queria romper a barreira do silêncio. Permaneço pensativa ao seu lado quando queria expressar o que sinto. Impossível você perceber tudo isso que está acontecendo, pois a verdade eu escondo sob véus, ela está trancada no meu íntimo. Impossível ser diferente, pois você está distante de mim.
A realidade me chama.
Preciso ir.

 

3 de nov de 2013

Sobre "Escola de um Destino"

Acabei de ler o livro "Escola de um Destino", de Sidney Santborg. É um livro de ficção, mas que retrata a realidade da grande maioria das escolas públicas brasileiras no que se refere ao envolvimento dos jovens com o mundo das drogas. O livro tem uma linguagem clara, personagens bem estruturados, os evento se desenrolam naturalmente. É uma leitura gostosa que deixa aquele sabor de quero mais.


Conheci Sidney no facebook, através de uma outra autora, Sheila Ribeiro Mendonça (já falei dela aqui).

Sidney Santborg

Começamos a interagir em algumas publicações e, assim, demos início a um bate-papo muito legal. Me interessei pelo livro e, prontamente, Sidney enviou meu exemplar com um texto perfeito e uma dedicatória que amei.


Até hoje o agradeço pela atenção e carinho, principalmente com seus leitores, pois a um certo tempo eu achava que autores eram, no geral, pessoas inacessíveis ao público. Sidney é uma pessoa bastante carismática, simples, que está sempre pronto a nos atender (leitores). Sem contar ainda que é um escritor super talentoso, em busca de realizar tantos outros sonhos. "Escola de um  Destino" foi apenas o primeiro.
Sidney, obrigada por tudo. E conte comigo, sempre.

Sidney, também, tem um blog onde nos encanta com seus textos maravilhosos.

 

17 de out de 2013

Quando


Por quanto tempo fiquei paralisada?
Quantas noites passei acordada?
Até quando me senti sufocada?

Adormeci.

Flutuava na brisa que emanava teu perfume
Me embriagando de prazer
Só em te ter por perto.

Me envolvi com o teu sorriso delicado e marcante
Ao mesmo tempo que teu abraço me acalentou
E prometeu ser só meu.

É assim que imagino quando te encontrar.


15 de out de 2013

Renovada


Estou aqui, perdida entre lençóis, papéis e canetas, tentando escrever as lembranças que me fazem olhar dentro de mim, perceber o quanto caminhei de lá pra cá, o quanto cresci e amadureci, o que precisei deixar para trás por conta de conveniências.
É um desafio olhar para o espelho e buscar respostas para tantas indagações a cerca de quem sou, de quem me tornei a partir das minhas escolhas de vida. A minha mente percorre caminhos emaranhados pelo tempo, que a levam ao mais profundo abismo do meu EU que nunca explorei, talvez por receio de enxergar o que não quis, de realmente perceber que não sou quem eu desejaria ser.
Pela primeira vez encontrei algo em mim que desconhecia, uma força capaz de me elevar de pontos onde permanecia inerte, apática e desencantada. 
Pela primeira vez sorri ao me encontrar com vontade de mudar, de que tudo fosse diferente. Me lancei numa esfera de pensamentos e desejos carregados de emoção, pronta para embarcar em sentimentos que me são desconhecidos de outrora.

"Sempre há uma nova oportunidade para sermos felizes, de voltar a amar, de sorrir para a vida, e acreditar na sinceridade dos sentimentos envolvidos."

E, assim, eu te encontrei na imensidão do que chamamos VIDA.
Não tardiamente.
Apenas no momento certo.


7 de set de 2013

Conversando é que a gente se entende


O que vale a pena na vida?
Vou correndo fazer minha listinha...
Não pode faltar felicidade, essa tem que me acompanhar por toda eternidade (claro que sou eterna...). Tem que constar também saúde, paz, prosperidade, amor (e todo aquele blá, blá, blá que uns dizem para os outros... afffff). Ah, mas eu quero mais...

  • Acordar sorrindo todos os dias
  • Chutar o blade quando estiver irritada
  • Tomar banho de chuva
  • Desabafar com as paredes (elas me escutam quietas e caladas, não me interrompem)
  • Cantar bem alto (o que eu faço com os vizinhos?)
  • Escrever um monte de bobagens (é o que estou fazendo agora?)
  • Passar dias e dias lendo (eita como isso é difícil, meus afazeres não deixam...)
  • Tomar um pote de sorvete de 2 litros, sozinha (será que isso é gulodice, egoísmo ou o quê?) - é uma vontade antiga, mas que nunca tive coragem de fazer...
  • Escrever um livro, sei lá...
  • Dormir é bom... e não cansa...

Essa lista é interminável, são tantas vontades, desejos e quereres. Mas a filhota e minha irmã me chamam. Tenho que ir. Sentirei falta desta conversa. Depois eu volto pra gente papear mais um pouco.

Aprendi


Caminhei sem perceber que ia contra minha vontade, que tudo fluía hipnoticamente, a passos lentos e constantes. Foi como o despertar de um sono profundo, foi como me libertar das algemas que me uniam ao que eu não queria. A sonolência foi se dissipando aos poucos, o dia ficou mais claro e verdadeiro, a noite tornou-se tranquila após momentos inquietantes e desorganizados.
Independente do sentido de um julgamento qualquer, a irreflexão deu passagem a tudo que é palpável, digno de avanços plurais e certeiros, onde predomina o lógico da minha existência.
O mais íntimo desejo de acertar me permitiu ressignificar cada atitude na sua amplitude máxima. Cada pensamento estava focado no que é relevante, importante, que me interessa ou não, que me faz bem ou não, feliz ou não.
A passos lentos continuo caminhando, leve como uma pluma, sem o peso da obrigação, sem a angústia do dia que virá. Apenas adormeço na segurança de tudo que almejo; e o que passou fica no fundo de uma caixa chamada Aprendizado, onde consultas não serão permitidas.

 

18 de ago de 2013

A simplicidade das coisas


Hora de encontros, conversas, segredos.
Mas tudo acontece em um nada absoluto.
Frente a frente, olhares desconfiados, tímidos, apenas almoçam juntos, mas suas almas estão separadas por um momento em que nada dizem. 
Momento de troca, de compartilhamento, de cumplicidade.
Tudo parece irreal.
Até o levantar das pálpebras não condizem com o sublime estar ali.
Outros apenas conversam com seus botões, brincam com os talheres e olham em volta este ambiente tão (in)familiar, mas tão significativo.
Representam aqueles que preferem a introspecção, o EU em si e mais ninguém.
E a vida segue, divergente em espécimes e congruente em sonhos.


16 de jul de 2013

A Máscara de Atreu

Comecei a ler este livro ontem (ainda não terminei) e estou apaixonada por ele. Super envolvida por este mistério, suspense, emoção, estilo Dan Brown, sabe?



A MASCARA DE ATREU - UM ASSASSINATO E SEGREDOS QUE RODEIAM ANTIGUIDADES 

Formato: Livro
Autor: HARTLEY, A. J.
Idioma: PORTUGUES
Editora: LANDSCAPE
Assunto: LITERATURA ESTRANGEIRA - FICÇÃO POLICIAL

Sinopse:
Para os apaixonados por livros de suspense no estilo de Dan Brown. Um assassinato e uma valiosa coleção de artefatos micênicos roubados do Museu Nacional de Arqueologia de Atenas, são descobertos pela curadora Deborah Miller, que se envolve num perigoso jogo de investigações. Os elementos do livro 'A máscara de Atreu' são perfeitos para quem gosta de aventura e suspense; uma narrativa e história que envolvem o leitor do início ao fim. As emoções são comparáveis ao estilo Indiana Jones e o final é surpreendente. Depois de encontrar o corpo de Richard Dixon, fundador do museu de arqueologia de Atlanta, Estados Unidos, numa parede secreta, a curadora Deborah Miller resolve investigar o caso paralelamente à polícia. No local onde estava o morto, vários artefatos Micênicos de muito valor foram descobertos, o que levou a personagem a acreditar que haviam sido roubados do Museu Nacional de Arqueologia de Atenas. A partir daí, Deborah viaja para Atenas e as aventuras começam. Ela é perseguida, ameaçada de morte, mas continua firme nas investigações. Richard estaria envolvido com contrabandistas de antiguidades? De que outra maneira as evidências poderiam ser explicadas? A história traz flash backs da época da Segunda Guerra Mundial e um mistério envolvendo o corpo de Hitler. Tudo se mistura nas investigações de Deborah e outros personagens vão dando sentido aos fatos apresentados. Em meio às tramas, o autor discute uma série de fatos históricos, como, por exemplo, a Guerra de Tróia. Assim, a leitura é embriagante por fornecer conteúdo de pesquisa histórica em meio a um turbilhão de emocionantes ações da ficção.

Vale a pena conferir!!!



11 de jul de 2013

De HP para o Mago Negro

Acho que tem a ver com Harry Potter... foi a partir desta saga que comecei a gostar de ler livros com tema sobre magia. Terminei de ler a pouco tempo a Trilogia do Mago Negro.
Tudo começou com "O Clã dos Magos". Me apaixonei de cara por Sonea, uma jovem garota de rua que descobre, repentinamente, que tem poderes.
 
 
Em "A Aprendiz", Sonea já frequenta  a faculdade para magos, onde é ignorada pelos outros aprendizes e perseguida por um outro, Regin.
 
 
E, finalmente, em "O Lord Supremo" Sonea continua aprendendo muito e, agora, é respeitada (mesmo que de forma relutante) pelos aprendizes e pelos professores. Sonea encontra-se no centro de uma terrível trama que pode destruir o mundo. À medida que ela evolui no aprendizado, diversos questionamentos povoam sua mente em relação a Akkarin, mestre do clã e seu guardião.