12 de dez de 2011

Que fez volta e voltou para o ponto de partida


Hoje o dia amanheceu escuro, pensei que ainda era noite. Uma sensação de tristeza, de impotência frente a essa escuridão inesperada. Preciso sair, mas sou impedida por um temporal de receios, de dúvidas, de incertezas sobre o que ser certo ou errado, o inconveniente ou adequado.
E a chuva chega. Chega pra lavar minh'alma e levar tudo que me faz insegura, tudo que não anseio. Deixa apenas minhas vontades, meus sentimentos mais transparentes do que nunca.
Depois de uma noite cheia de surpresas, de olhares afirmativos e poucas palavras sobre o que mais importa, apesar do começo de um dia "frio" e obscuro, tudo ficou claro. Uma claridade que chega de mansinho. Não pede licença. Ela quer se instalar, quer fazer parte dos meus dias, dos meus pensamentos. E eu a deixo entrar. Deixo-a me abraçar, me beijar. Deixo-a me fazer feliz. Pode ser apenas por um momento, mas será um momento de felicidade, de completa harmonia.
Nas entrelinhas deste texto confio meus quereres. Não precisa me entender. Quero apenas socializar meus momentos de exterma felicidade, de conquistas muy breves que estarão por vir. Ah... e quando vierem!!! Nossa!!! Postarei aqui, com toda certeza, pois é aqui que me sinto bem, que relaxo, que converso, seja comigo ou com você que lê meus devaneios que tanto amo.
Vou jogar tudo pro alto (?) e sair. O dia está melhorando. A chuva já passou.  E o meu sorriso está bem estampado no meu rosto. Quero correr descalça, sentir o atrito com o chão, gritar, me permitir rodopiar ao som das músicas que fazem parte da minha vida.


# Algo está por acontecer. 
O imprevisto me fascina. #
(Clarice Lispector)

Nenhum comentário: