11 de nov de 2011

Um papo sério

Lidar com o caos ambiental será o grande desafio das próximas gerações. Houve uma mudança brusca na maneira das pessoas pensarem e agirem. Os jovens (e todas as outras faixas etárias) da atualidade têm infinitas opções para tudo, mas não querem abrir mão de nada.
Porém o que mais me angustia está relacionado com as mudanças climáticas, algo que interfere profundamente nas nossas vidas.

"A agricultura vai ter de ser readaptada, porque senão muita produção será perdida. Viajar vai demandar mais cuidado, porque os voos estarão mais sujeitos a intempéries. Ir ao trabalho vai ficar mais difícil, até que cada país esteja preparado para lidar com um cenário de um mundo mais caótico em relação a tudo aquilo que recebe a interferência dessas mudanças climáticas.
Os modelos precisarão ser reestruturados. Vão ser necessárias mais cabeças pensando em como lidar com o novo, o inesperado, com a conseqüência da nossa interferência nas condições da natureza, quer pelo desmatamento, quer pela emissão de gases nocivos à atmosfera. E, novamente, voltaremos a viver com mais planejamento, na contramão, com mais escassez. Estamos desacostumados a isso!"

Nós estamos despreparados para pensar num mundo assim. E essa geração não foi preparada para isso. Todos têm apenas NOÇÃO do que pode acontecer. Personalidade formada. Modelos mentais estabelecidos. E agora? Quem vai pensar sobre esse assunto?

"O mundo que vem chegando vai exigir mais atenção. Entraremos num período com grandes catástrofes naturais. Chuvas muito fortes, calor acima da média, seca, inundações, neve em excesso. Isso, na verdade, já vem acontecendo, mas pelo que temos notícia, vai se intensificar."

Enquanto esquentamos nosso neurônios com estas preocupações, a polêmica foi lançada a partir do momento que James Lovelock (britânico, especialista em Meio Ambiente) afirmou que "Tentar salvar o planeta é bobagem, porque não podemos fazer isso. Se for salva, a Terra vai se salvar sozinha, que é o que sempre fez. A coisa mais sensível a se fazer é aproveitar a vida enquanto podemos", em entrevista para a BBC.

De acordo com a Teoria do Caos, proposta por James Gleick (Caos, criação de uma nova ciência, Rio de Janeiro, Campus, 1989), "Os sistemas naturais apresentam mudanças significativas na maneira como funcionam mesmo quando permanecem dentro do mesmo padrão global, de forma que certas fronteiras críticas que definem este padrão não podem ser transpostas sem que este equilíbrio seja ameaçado." Isto seria o "NORMAL". Mas, ao meu ver, as intervenções antrópicas no meio ambiente já passaram do limite questionável. E a pergunta sempre será a mesma: O que fazer? Pensar local? Pensar global?

Novos paradigmas geram novas formas de visão e abordagem e deste processo resultam novos valores éticos e humanos que vão se tornar relevantes em todas as dimensões da vida.

Nenhum comentário: