5 de nov de 2012

Sempre de volta



Família, trabalho, compromissos, a vida agitada, o vai e vem do dia a dia, os aborrecimentos, o desgaste (tanto físico quanto mental). À noite não quero mais nada além de um abraço gostoso da minha princesa e minha cama para descansar, regada a uma leitura prazerosa. Mas, entre tudo isso, uma conversa descompromissada, divertida, para alegrar estes momentos de estresse. Palavras simples e, entre elas, um sorriso, um silêncio momentâneo, onde pensamentos ganham vida.
E eu não quero ir embora.
Mas o recomeço é inevitável. Por este motivo, a memória registra estes momentos tranquilos, relaxantes, para serem (re)vividos durante o dia, esperando a noite chegar para me banhar novamente no sossego das palavras.
Assim, eu sempre voltarei.


Um comentário:

Alice Aguiar disse...

gostei muito do texto.